domingo, 30 de novembro de 2008

Sobre textos e porcos

Faz um certo tempo que ando lutando contra minha vontade de escrever. Provavelmente porque eu acho isso idiota. Não acho escrever idiota, o que eu acho idiota é eu ter a vontade de escrever. Ás vezes fico pensando num tema bem legal pra escrever aqui. Então penso "como sou patética, o que adianta escrever se ninguém vai ler?". Ou se ninguém vai se importar. Acho q sou mesmo patética.
Um amigo do garotinho que eu cuidava na holanda tinha uma paixão por porcos. Isso agora soou um pouco pornográfico, mas não é bem isso. Ele adorava porcos mesmo, achava eles lindos, ele lia livros sobre porcos, sabia tudo sobre como se criar porcos, as raças dos porcos, as vezes ele ia em fazendas pra conhecer os porcos e o sonho dele era ter um porco. Eu pensei "coitado do menino, tão novinho e já tão idiota". Mas gente, olha q coisa incrível? A grande paixão da vida daquela pessoa é uma coisa tão simples e tão tangível, que quem é idiota sou eu (como já havia constatado anteriormente) que passa dias e horas e meses em busca de algo pra amar, sem encotrar, e alguém com tantos poucos anos de vida está perfeitamente feliz amando porcos.
Uma época da minha vida eu escrevia. Tinha vários blogs, que meus amigos elogiavam e incentivavam. Mas de repente me veio um vazio. Me lembro da última coisa com sentimentos que eu escrevi. Era um texto bonito, piegas e triste. Meus textos em sua maioria eram piegas e tristes e estão espalhados pelos 3 ou 4 blogs q já tive e nunca consegui manter, porque sempre caio de volta na questão "mas afinal, quem se importa?". Gostaria de ter um amor secreto ou alguém que merecesse ouvir umas verdades. Também não escrevo muitas coisas porque tenho medo de quem possa ler. Minha mãe por exemplo, não gostaria que ela lesse esse texto.
Essa não é a primeira vez que me acontece das coisas me atingirem muito depois de acontecerem, só que pela primeira vez não tenho quem me acuda. E já não estou no meu direito de ficar triste. Esse direito foi me concedido e eu não aproveitei muito bem.
É, acho que está bom por enquanto.

2 comentários:

Valeria disse...

So pra constatar que algumas pessoas ainda leem.

mari disse...

gente!

me identifiquei com muitas destas palavras.

to em choque.